INTOX Home Page


    HIPOGLICEMIA

    DEFINIÇÃO

    Hipoglicemia é a concentração da glicose sangüínea abaixo do nível
    normal de 3,3 a 6,3 mmol/L (60 a 115 mg/dL). Os sintomas são prováveis
    quando a concentração de glicose no sangue cai abaixo de 2,5 mmol/L
    (45 mg/dL).

    CAUSAS TÓXICAS

    Comuns

    Etanol
    Insulina
    Sulfoniluréias e drogas hipoglicemiantes relacionadas*
    Acetohexamida
    Clorpropamida
    Glibenclamida
    Glibomurida
    Gliclasida
    Glipisida
    Gliquidona
    Glisentida
    Glisolamida
    Glisoxapida
    Gliburida
    Glibuzole
    Glicopiramida
    Gliciclamida
    Glimidina
    Tolasamida
    Tolbutamida

    Incomuns

    Fruto Ackee (Fruto da Jamaica - emético)
    Alcoois (isopropil, metanol)
    Bloqueadores Beta-adrenérgicos
    Cocaína
    Disopiramida
    Etionamida
    Haloperidol
    Medicamentos a base de ervas/ plantas (vários)
    Mebanazina (inibidor MAO)
    Opióides
    Orfenadrina
    Oxitetraciclina
    Pentamidina
    Perhexilina
    Vacina contra Coqueluche
    Propoxifeno

    Quinino
    Ritodrina
    Salicilatos
    Sulfonamidas
    Vacor (PNU) - efeito transitório

    *    Biguanidas orais (metilformina, fenformina) podem causar acidose
         láctica severa mas normalmente não causam hipoglicemia grave.

    CAUSAS NÃO TÓXICAS

    Doenças Endócrinas
    Falência hepática
    Insulinoma
    Desnutrição

    MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

    As manifestações clínicas da hipoglicemia são muito variadas e é
    importante considerar este diagnóstico em todo paciente com alteração
    do nível de consciência. Pacientes com hipoglicemia leve podem estar
    agitados ou confusos, enquanto aqueles com hipoglicemia grave podem
    apresentar coma profundo ou convulsões. Déficits neurológicos focais
    semelhantes aos causados por acidente vascular cerebral agudo podem
    ocorrer. Sintomas associados podem incluir tremores, taquicardia,
    diaforese, assim como hipotermia em alguns pacientes.

    DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

    Em pacientes com confusão, estupor ou coma, considerar a possibilidade
    de overdose por drogas hipnótico-sedativas, agentes anticolinérgicos,
    opióides ou etanol. Tremores, taquicardia e sudorese podem estar
    associados com drogas estimulantes tais como cocaína ou anfetaminas. 
    Convulsões podem ser causadas por uma grande variedade de drogas ou
    venenos.

    INVESTIGAÇÕES RELEVANTES

    Controles de glicemia podem ser obtidos em 1 a 2 minutos usando o
    sangue capilar colhido dos dedos e um analisador portátil movido à
    bateria ou, testes de fita. Idealmente, o sangue deve ser colhido para
    análises de laboratório antes da administração de glicose exógena,
    entretanto, não deve retardar desnecessariamente sua administração.
    Eletrólitos do Soro
    Testes de função hepática.

    Avaliações de concentrações no soro de sulfoniluréias orais ou
    insulina geralmente não são disponíveis, mas podem ocasionalmente ser
    úteis no reconhecimento da causa da hipoglicemia. A administração
    exógena de insulina resulta na elevação de sua concentração sérica mas
    com baixa concentração de peptideo-C, ao passo que na intoxicação por
    agente hipoglicemiante oral e no insulinoma, tanto o peptideo-C quanto
    os níveis de insulina estão aumentados.

    TRATAMENTO

    O tratamento não deve ser retardado em pacientes com suspeita de
    hipoglicemia, pois dano cerebral permanente pode ocorrer. Administrar
    glicose concentrada em bolus, 25 a 50 g (0,5 a 1 g/kg de glicose a 25%
    em criança) intravenosa através de via segura. Administrar doses
    repetidas, se necessário. Iniciar infusão continua de  soro glicosado
    a 5 ou 10%. Em caso de hipoglicemia grave causada por overdose de
    insulina ou sulfoniluréias, pode ser necessária infusão contínua de
    grande volume de solução de glicose concentrada (25 a 50%) através de
    um acesso central para manter a glicemia normal.

    Antídotos: O glucagon não é recomendado porque requer a presença de
    glicogênio hepático que está sempre esgotado em pacientes com
    hipoglicemia aguda. Diazóxido (0,1 a 2 mg/kg/hr) por infusão
    intravenosa inibe a secreção pancreática de insulina e tem sido útil
    em pacientes com overdose de sulfoniluréia. Octreotide (30
    nanogramas/kg/min) também tem sido recomendada.

    EVOLUÇÃO CLÍNICA E MONITORIZAÇÃO

    Obter controles freqüentes da glicose capilar ou do soro. Pacientes
    com overdose de insulina podem ter hipoglicemia prolongada, dependendo
    da quantidade, tipo e via de administração. Injeção de uma grande
    quantidade de insulina no espaço subcutâneo pode produzir um depósito
    com uma absorção prolongada. A duração da ação dos agentes orais
    sulfoniluréia varia de 6 a 72 horas, e hipoglicemia recorrente tem
    sido observada até uma semana depois da ingestão de clorpropamida.

    Além disso, o início da hipoglicemia pode ser retardado em pacientes
    com exposição aguda aos hipoglicemiantes orais ou insulina. Alguns
    autores aconselham hospitalização e observação de todos os pacientes
    com suspeita de exposição importante aos agentes hipoglicemiantes. Um
    estudo sugere que indivíduos assintomáticos, que não estão recebendo
    glicose oral ou intravenosa, devem ser observados no mínimo 8 horas.

    COMPLICAÇÕES TARDIAS

    Dano cerebral cortical permanente pode resultar de hipoglicemia
    prolongada ou grave.

    AUTOR(ES)/REVISOR (ES)

    Autor:    Dr KR Olson, University of California, San Francisco.

    Revisão:  Cardiff 9/96: V. Afanasiev, M Burger, T Della Puppa, L
              Fruchtengarten, K Olsen, J Szajewski.

    TRADUTOR (ES):

    Dra Daisy Scwab Rodrigues, CIAVE, Salvador, Brasil
    Dra Ligia Fruchtengarten, CCISP, São Paulo, Brasil